Publicado em: Pecuária

Sabrina Alves 

Ele não leva o nome do pai somente na certidão de nascimento, mas na carreira como pecuarista, mantendo a tradição e a qualidade da marca MF. Mário de Almeida Franco Júnior é o caçula dos cinco filhos do lendário Mário de Almeida Franco, um comunicador nato, que com muito carisma conquistou a todos que o conheceu durante os seus quase 80 anos de vida marcada pela paixão zebuína. 

Hoje, ao lado do atual presidente da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ), Luiz Claudio de Souza Paranhos Ferreira, o criador integra o quadro de diretores mantendo vivo o nome do pai. A sua trajetória como membro da ABCZ começou em 1978, na gestão dos presidentes Manuel Carlos Barbosa (1978-1982), Newton Camargo Araújo (1982 a 1986), João Gilberto Rodrigues da Cunha (1986 a 1988). E também como vice-presidente, ao lado de Heber Crema Marzola, em 1990.

Uberabense, Mário Franco Júnior também se tornou uma das grandes referências da pecuária nacional, com um brilhante trabalho de seleção feito com as raças Nelore e Guzerá, assim como a sua família vem fazendo desde a década de 1930. Segundo o próprio Mário Franco Júnior, como gosta de ser chamado, o trabalho dedicado às duas raças busca sempre os melhores animais que serão ofertados nas melhores e mais concorridas pistas do país.

Ele destaca que “o respeito pela natureza e a preservação do meio ambiente são compromissos da MF, tornando sua pecuária além de seletiva, sustentável. Homem, animal e meio ambiente em perfeita harmonia com o trabalho”, disse Mário Júnior.

É exatamente assim, como o pai, que ele retrata bem esse cuidado com o meio ambiente, em um dos locais considerados como o seu porto seguro. Chamada de a “menina dos olhos” da Família MF, a Fazenda São Geraldo é um local de beleza ímpar que encanta a todos que a visita. A propriedade fica às margens da BR – 050 e é marcada pelo encanto e história que vai muito além do Zebu. 

Segundo relatos do próprio Mário Franco Júnior, a fazenda sempre foi o recanto sagrado de seus pais, e foi ali, que o senhor Mário passou a maior parte da vida, e aonde viveu os seus últimos momentos, ao lado de seus entes queridos.

Nas pastagens é possível encontrar animais com alto padrão genético, doadoras de grande importância das raças Nelore e Guzerá. Mas, o encanto não fica restrito apenas aos animais. Logo na entrada da propriedade, que foi palco de muitas discussões e visitas políticas, como a dos ex-presidentes da República Getúlio Vargas, Juscelino Kubitschek, General João Batista Figueiredo, Tancredo Neves, Itamar Franco, Fernando Collor de Mello e Fernando Henrique Cardoso, nota-se o seu encanto.

Os dois leões de mármore de Carrara pesando aproximadamente, sete toneladas não servem apenas de artigo de decoração para a sede da propriedade adquirida pelo saudoso pai em meados da década de 1940. O caçula lembra que o pai sempre que passava pelo Palácio Monroe, durante sua suas visitas ao Rio de Janeiro, dizia que os leões (estátuas) ficariam muito melhores na sua fazenda. Os animais, além de serem a representação do seu signo, chamavam a sua atenção pela beleza. Em uma oportunidade, Mário Franco Júnior conta que o palácio seria demolido, e um dos irmãos junto com a mãe, resolveram adquirir as peças que fazem parte da beleza da São Geraldo.

“Minha mãe e o meu irmão Luiz Carlos, assim que ficaram sabendo da demolição, foram na mesma hora comprar aqueles que seriam um dos símbolos da nossa família. Uma bela homenagem em vida que o meu pai recebeu”. Além dos dois leões, dona Olésia adquiriu também um portão e um anjo, que são a representatividade da entrada da propriedade até hoje.

Em 1971, o Leão da Pecuária, como era conhecido o senhor Mário de Almeida acabou adoecendo, e ao lado da mãe, a querida e estimada Olésia Adriano, Júnior e os irmãos passaram a tomar conta dos negócios e propriedades da família. O pioneiro Mário Franco veio a falecer em 1974 e naquele ano seria lançada a nova Organização Mário Franco, que priorizou a conservação de todo o acervo construído pelo imortal.

 

O comunicador e inovador

Esse foi mais um dos adjetivos do senhor Mário de Almeida, um apaixonado pela inovação. Ele foi responsável pela aquisição e instalação do primeiro rádio amador em Uberaba para que pudesse manter contato entre as suas propriedades.

Naquela época pouco se falava em aviões particulares, mas nutrido por sua apreciação pela aviação, e, para facilitar o seu transporte acabou adquirindo uma aeronave. Segundo Mário Franco Júnior, o pai era um afeiçoado pela aviação, tanto é que acabou sendo imortalizando, ao ceder uma área para a ampliação do aeroporto municipal, que recebeu o seu nome: Aeroporto “Mário de Almeida Franco”. Ele foi um grande batalhador e um idealista que sempre acreditou no potencial da pecuária brasileira. No exterior, era reconhecido como “El Tigre”, graças à sua visão e perspicácia.

 

Genética campeã

Em 1980, seis anos depois da perda lastimável do pai, Mário Franco Júnior passaria a registrar o seu nome na pecuária nacional, sendo um dos precursores do trabalho de transferência de embriões em todo o estado. Naquele momento, a marca MF ganharia o importante espaço no mercado nacional destacando grandes Campeões. Entre esses: Eldorado, Ima, Iron, Marabá, Onassis POI, Hércules, Moldado, Branca de Neve, Pianista, Ventania, Deriva, entre outros. Atualmente, Mário Franco Júnior dedica boa parte do tempo à seleção do Gado Guzerá.

Um dos maiores e mais disputados leilões, leva o nome de uma peça teatral escrita por Jason Miller (1975). “A Noite dos Campões” surgiu de um ideal em realizar um evento da raça Nelore que entraria para a história, e os seus idealizadores não tiveram dúvidas que aquele seria o melhor nome.

Sua estreia foi em 1985, e a frente estava Mário de Almeida Franco Júnior, representando a Organização Mário Franco, juntamente com outros nomes de peso.  O local escolhido para a realização, daquele que seria um dos grandes momentos da ExpoZebu, seria a Fazenda São Geraldo. De acordo com os registros da Organização MF, as primeiras edições tiveram o destaque com a venda de importantes reprodutores e o maior comprador, sempre era homenageado com um troféu que marcaria a sua passagem por aquele momento único.

Ainda nos registros, o ano de 1986 também teve o seu momento de ouro. Aquele seria o inicio do trabalho dos leiloeiros João Gabriel e Nilson Genovesi, que permanecem batendo o martelo até hoje. Quinze anos mais tarde, Cláudio Sabino de Carvalho e Fahd Jamil & Irmãos, por pouco tempo integraram o grupo juntamente com o reforço do pecuarista e comentarista de leilões, Adir do Carmo Leonel. Outro grande nome foi do selecionador Pedro Novis, proprietário da Fazenda Guadalupe.

Mais tarde, em 2010, Adir do Carmo Leonel se despede, e com a sua saída, passou a integrar o importante time da “Noite dos Leilões”, os Irmãos Barros Correia (IBC). Três anos depois, o criatório da EAO Empreendimentos entrou para o grupo, o que para os organizadores agregou qualidade que se alinhou a vanguarda do Nelore. Os números mostraram a qualidade do evento, que durante 18 anos, foi o recordista de média e faturamento durante a ExpoZebu.

Para Mário de Almeida Franco Júnior, e todos do grupo, a “Noite dos Campões” pode ser traduzida da seguinte maneira: “Seis seleções do mais puro Nelore. Seis marcas com a inovação e o trabalho nas veias. Acima de tudo, criadores apaixonados e persistentes em tudo que fazem. Conhecimento de sobra para realizar um dos eventos mais importantes da ExpoZebu e da pecuária seletiva nacional”, pontua.