Publicado em: Pecuária

Leite é um alimento essencial para o ser humano quando nasce e até seus dois anos de idade. Porém, o consumo do alimento para adultos pode ser questionado. A nutricionista Adriele Barcelos Rodrigues elencou várias riquezas nutricionais do leite de vaca para a empresa produtora de leite Cemil, de Patos de Minas (MG). “As proteínas do leite de vaca possuem alto valor biológico constituindo uma ótima fonte de aminoácidos essenciais e, ainda, contêm um conjunto de proteínas com diversas atividades biológicas, incluindo fatores de crescimento e agentes microbianos, enzimas, anticorpos e imunomoduladores”, afirma. 
Ela explica que nos últimos anos o leite de vaca tornou- se um alimento polêmico. “Existe o consenso de que as crianças devem tomar leite, desde que não apresentem hipersensibilidade às suas proteínas, intolerância à lactose ou manifestem outros fatores impeditivos. Quanto aos adultos, muitos tem retirado o mesmo da alimentação mesmo sem obter algum diagnóstico como alergia ou intolerância”. 
De fato, algumas pessoas podem ter intolerância à lactose (açúcar natural do leite) e desenvolver problemas ao digerir o alimento. Os sintomas incluem inchaço, dor de estômago, gases e diarreia. Para as crianças, é aconselhável consultar um médico. Já para os adultos, leite e produtos lácteos sem lactose estão facilmente disponíveis no mercado. Mas, quem não convalesce desse problema, pode inserir o leite na dieta sem prejuízos. 
“O leite de vaca contém vários nutrientes, podendo se destacar as proteínas, carboidratos, lipídios, vitaminas e minerais. Uma alimentação adequada visa atender as demandas do organismo, suprindo as necessidades de nutrientes. O leite de vaca e derivados se constituem em uma das fontes mais ricas deles, exercendo papel fundamental na boa nutrição.  Porém, para indivíduos que não podem ingerir o leite de vaca, alguns outros alimentos, como brócolis e couve, quando ingeridos em quantidades adequadas, podem contribuir consideravelmente para o fornecimento de cálcio”, explica a nutricionista. 

Leite é bom com tudo 
Em 2013, o Brasil foi o país que mais consumiu o produto bovino no mundo: foram 12 mil toneladas de leite fluido consumidos em todo o país, de acordo com Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). Mas a média ainda está abaixo do recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). O consumo per capita anual brasileiro é de 172,6 litros, enquanto que o recomendado pela instituição é de 200 litros ano/habitante.
Pensando nisso, a Ourofino Saúde Animal lançou o projeto Leite é Bom com Tudo. Com o apoio da Associação Brasileira dos Criadores de Gir Leiteiro (ABCGIL), a empresa desenvolve ações para incentivar o consumo do produto. Com o objetivo de reforçar ao público as muitas possibilidades do consumo da bebida, toda a cadeia de produção e comercialização de leite está envolvida na campanha. 
Jean Pericole é gerente de produtos para gado de leite da Ourofino e bebe leite todo dia: puro, com chocolate, e seus variados derivados. “Essa é uma bebida com as mais diversas possibilidades de consumo. Leite é bom puro, com achocolatado, com pão ou bolo. É ingrediente para as receitas mais criativas. Nosso trabalho é mostrar isso para os consumidores”, explica.
Para conseguir envolver todo o setor, a empresa incentiva a participação dos produtores e pecuaristas. “O trabalho é realizado junto a parceiros que vão desde o setor primário, em que estão os produtores, as revendas e cooperativas que atuam oferecendo insumos e produtos, passando pelos laticínios, até, e principalmente, os consumidores”, explica. Lançada durante a Megaleite 2014, a divulgação da campanha inclui participação nos maiores eventos da cadeia leiteira no país, materiais publicitários desenvolvidos para o consumidor final, como banners, folders e anúncios em sites, revistas e jornais, redes sociais, e reportagens no programa Ourofino em Campo, transmitido pelo Canal do Boi e AgroCanal.

Viajando pelo país, a campanha também já foi destaque na ExpoZebu 2015, em Uberaba (MG), na Agroleite, em Castro (PR), na Expointer, em Esteio (RS), na Semana Coopatos, em Patos de Minas (MG), Capal, em Araxá (MG) e na Copervap em Paracatu (MG), entre outros.