Publicado em: Pecuária

Ourofino Saúde Animal orienta sobre vermifugação em períodos chuvosos

 

O calor e as chuvas aumentam o desafio parasitário e pecuaristas precisam reforçar o controle estratégico das verminoses

 

O rebanho brasileiro já ultrapassa 212 milhões de cabeças, e à medida que a pecuária bovina se desenvolve, também cresce a busca por soluções e tecnologias que melhorem a produtividade nas fazendas. Afinal, existem grandes entraves na produção e uma delas é o prejuízo causado pelas verminoses, principalmente em períodos de chuva e calor.

“No Brasil, a taxa de mortalidade de bovinos por helmintos pode ser considerada baixa, entretanto, a gravidade que as infecções podem atingir é significativa e totalmente prejudicial ao pecuarista. Por isso a importância de realizar um rigoroso controle estratégico da verminose”, destaca Pietro Massari, analista técnico na Ourofino Saúde Animal.

O profissional também explica que a severidade das alterações causadas pelas verminoses gastrintestinais depende da espécie do helminto, hospedeiro, nível de contaminação ambiental, condições climáticas, tipos de produção, raça e idade dos animais. “Daí a necessidade de adequar protocolos e produtos de acordo com as características das propriedades. Outra questão é que os tratamentos e manejos prévios devem ser observados com muita atenção para evitar surtos e garantir um controle eficaz”, diz.

É importante ressaltar que a verminose sempre existirá, o propósito de controlar os helmintos é manter a infecção em níveis aceitáveis. “Assim, o animal permanece em boa condição sanitária e consegue atingir um ótimo nível de produção”, ressalta Pietro. A maneira mais simples e eficaz de limitar o desenvolvimento de endoparasitos em bovinos, além da escolha adequada do anti-helmíntico, é avaliar as características epidemiológicas dos parasitos, ou seja, efetuar um tratamento estratégico.

Entretanto, o analisTa técnico da Ourofino também é enfático em orientar que períodos chuvosos e quentes aumentam o desafio parasitário e, para maior controle, uma boa solução é optar pelo tratamento tático. “Utilizar anti-helmíntico completos como o Evol®, que é uma associação de sulfóxido de albendazole (10%) e ivermectina (0,8%), elimina a carga de vermes dos animais que já estão infectados”.

 

FONTE ComTexto Comunicação Corporativa