Publicado em: Pecuária

 

Através de seu trabalho, Ciça Garcia comprova que o lema do Nelore Kalunga é o segredo do seu sucesso

 

Maria Cecília Brazil Menezes Garcia nasceu na maior metrópole da América Latina, São Paulo (SP). Porém, a grandiosidade urbana da cidade nunca foi seu cenário favorito. Desde bem jovem ela gosta mesmo é da vida no campo e da lida com os animais. Quando criança, dizia que quando crescesse ia “cuidar dos bichos”. “Você vai ser médica veterinária, então?”, perguntavam, e ela respondia, muito convicta com sua sabedoria da infância: “não, vou cuidar dos bichos”.

Hoje aos 33 anos e frente ao criatório Nelore Kalunga, ela cuida de um rebanho com mais de três mil cabeças de nelore e uma tropa de cavalos em treinamento para competição, divididos em quatro fazendas nos estados de São Paulo e Mato Grosso. Ciça, como é conhecida pelos muitos amigos, coordena as atividades em todas as propriedades, comandando uma equipe com 32 pessoas que formam um time muito afinado e bem administrado. O resultado desse trabalho fica nítido nas premiações conquistadas. Uma das condecorações mais recentes que ela recebeu foi o prêmio que homenageia personalidades de destaque da raça e da pecuária brasileira, o “Nelore de Ouro – O Oscar da Pecuária”, na categoria Nova Geração. A honraria foi entregue pela Associação dos Criadores de Nelore do Brasil (ACNB) em dezembro de 2019, durante a Nelore Fest, e coroou um ano cheio de conquistas. “Esse prêmio é resultado de um trabalho sério e consistente, e mostra que estamos no caminho certo”, diz Ciça. Na ocasião, o Nelore Kalunga também foi premiado pelo Ranking Nacional com a Medalha de Prata Melhor Supremo Nelore, Medalha de Bronze Melhor Expositor Nelore e Medalha de Bronze Melhor Criador Nelore. Para chegar até esse momento glorioso, muito trabalho e muitas premiações vieram antes.

A trajetória de sucesso começou com a Donata da TAM, uma das principais matrizes da atualidade, que através do Nelore Kalunga foi coroada com a medalha de ouro como a líder do Ranking ACNB 2009/2010, Melhor Matriz da Copa Paraná e a 2º Melhor do Ranking Nacional ACNB 2016/2017. A matriarca morreu recentemente, mas deixou sua sucessora: Donata 5 FIV Kalunga, uma produtora de campeãs. E entre suas fi lhas premiadas, outro destaque do criatório: Shankara 4 FIV Kalunga, que sagrou-se Grande Campeã Nacional em 2018. Para Ciça, tudo isso só comprova o lema do criatório: “onde tem paixão, tem raça”.

“A paixão é o que move o meu trabalho. Eu amo muito o que faço, e onde tem amor envolvido a motivação para melhorar e continuar trabalhando é maior. O grande
lance é ser feliz na sua vida e em tudo que você faz. Quando uma pessoa trabalha no que gosta, faz bem e quer melhorar a cada dia. Ainda mais que esse é um negócio da minha família, tenho enorme orgulho e amor nessa missão que escolhi para mim. A junção de tudo isso é o que me move e me faz acordar todos os dias querendo trabalhar e evoluir cada vez mais”, conta a criadora.

 

História
Ciça nasceu em uma família há muito tempo famosa nacionalmente por duas coisas: serem bons empresários e bons corintianos. Ela, que é por essência e paixão as
duas coisas, acabou fi cando responsável por escrever o nome de sua família com excelência em mais um setor. Filha de Paulo Sérgio Menezes Garcia, ela ainda era criança quando viu com empolgação seu pai seguir os passos do avô materno dele, Manuel Menezes, que era criador de gir leiteiro, e começar a investir na pecuária, em 1995. Desde nova, Ciça amava montar cavalo e estar em contato com a criação. Mais nova e única mulher entre quatro irmãos, somente ela gosta da vida no campo desde cedo. Os outros fi lhos são totalmente urbanos e trabalham nos outros negócios da família. 

“Ela desde pequenininha sempre foi muito focada. Desde sempre é isso que ela queria fazer, e por isso a fazenda é a vida dela. Quando nova, assim que chegava ao hotel fazenda ia correndo para cima dos cavalos, ajudada a lavar, montava sozinha. Sempre muito extrovertida, quando víamos já estava levando os turistas para passear a cavalo. É um orgulho e uma felicidade enorme ver um sonho meu concretizado através dela”, conta Paulo. 

Quando Ciça tinha apenas 15 anos, Paulo começou a investir com mais força na raça nelore, e fundou a Fazenda Nelore Kalunga, em Bauru (SP). Foi então que ela
começou a se envolver mais de perto com a raça, o que germinou uma paixão que dura até hoje. Entrou para faculdade de Medina Veterinária e durante a graduação
fez estágio em grandes empresas agropecuárias, como a Fazenda Joia da Índia, Central Bela Vista, Fazenda Pardinho, entre outras, o que deu à profi ssional uma ampla visão de realidade na pecuária. 

Depois que se formou médica veterinária na Universidade Anhembi Morumbi, na capital paulista, morou por algum tempo em Marília (SP), e mesmo assim visitava
a propriedade da família todos os dias, a 105 quilômetros de distância. Há dez anos, mudou-se definitivamente para o interior, onde, desde então, se dedica à sua vocação e maior prazer: trabalhar com os animais, promovendo o melhoramento genético preconizando a melhora do rebanho nacional como um todo. “Nós não produzimos animais para o abate, mas produzimos genética para quem o faz. Então, temos consciência de que nosso trabalho interfere na produtividade da pecuária nacional. Por isso, é uma responsabilidade que levamos muito a sério, e isso é refletido nos animais. Participamos do Programa de Melhoramento Genético Zebuíno
(PMGZ) e programa da Associação Nacional de Criadores e Pesquisadores (ANCP), assim como fazemos avaliação de carcaça em todos nossos animais, pensando
na genética do futuro para carne de qualidade, que não pode ser esquecida. É uma genética nossa, que a gente foi investindo constantemente e deu certo. Hoje, temos o desafio e o prazer de disseminá-la para todo país”. 

Tanto quanto pelo nelore, Ciça também é apaixonada por equinos e esportes com cavalos. Além de médica veterinária, ela é uma amazona de mão cheia e há cinco anos compete em provas de montaria, reaching short e team penning. Quando não está viajando entre as fazendas e exposições, treina diariamente para competir nas provas de esportes equinos, nas quais concorre com um time de cavalos das raças crioulo e quarto de milha muito bem treinado.

 

Kalunga em 2020

O Nelore Kalunga já começou o ano com o pé direito. Logo na primeira exposição que participou, a Expoinel Minas, em Uberaba (MG), o criatório saiu com premiações. Dos seis animais que levaram para o evento, quatro foram premiados entre os três melhores. “A expectativa para esse ano é muito boa. Há algum tempo temos nos mantido entre os dez melhores criadores do Ranking Nacional, e pretendemos continuar crescendo. Temos boas apostas para as pistas em 2020 e uma nova geração que vem com tudo. Vamos andar com 12 animais, o top da seleção. Tem uma bezerrada muito boa das matrizes Poesia MV, Donata 5 FIV
Kalunga (que traz para o time de pista uma irmã própria da Shankara 4 FIV Kalunga) e Emmpa 6 FIV Kalunga, que é a minha paixão e coincidentemente
está com a melhor bezerra da nova geração, chamada carinhosamente de Fadelzinha. A expectativa é alta”, conta Ciça.

Para além das pistas, outro grande momento do criatório será a promoção do primeiro leilão da marca Nelore Kalunga, que promete ser um mega evento.
“O trabalho na fazenda é fazendo, nunca acaba. Assim como a rede de lojas da família, o criatório Kalunga foi crescendo aos poucos e devagarzinho
conquistando espaço. Agora, 25 anos depois, acreditamos que chegamos ao momento de promover um grande leilão para ofertar o resultado do nosso trabalho.
Será uma ocasião muito importante para nós, e temos certeza que será um sucesso”, diz Ciça, que espera também que o evento seja bienal, intercalado com o já conhecido Leiloshopping Kalunga. O super leilão ofertará animais de elite, genética e depois animais de produção, nos dias 7 e 8 de agosto de 2020, na Fazenda Kalunga, em Bauru.