Publicado em: Pecuária

Jairo de Paula mostra nas suas dez fazendas bolivianas o resultado de um sonho concretizado através de muito trabalho

 

Natural de Paranaíba (MS), o pecuarista Jairo de Paula e Silva é boliviano naturalizado, com muito orgulho. No país vizinho do Brasil ele construiu um vasto empreendimento pecuário, sendo hoje um dos maiores produtores da Bolívia. Mas, quem o vê hoje comandando dez fazendas de produção extensiva e um rebanho com mais de 50 mil cabeças não imagina a origem simples da sua família, que saiu de Minas Gerais para tentar uma vida melhor no Mato Grosso do Sul.

Segundo dos cinco filhos dos trabalhadores rurais Sebastião de Paula Adrião e Paulina Leonel da Silva, Jairo só aprendeu a escrever o próprio nome quando entrou para o serviço militar, aos 18 anos. Até então, não tinha tido condições de estudar, pois desde jovem ajudava no sustento da família, começando sua jornada como engraxate. Serviu ao Exército Brasileiro por oito anos, de onde saiu para tentar a sorte no mundo dos negócios. Começou empreendendo no setor supermercadista e acabou por conseguir juntar recursos para investir no país vizinho através da agricultura, mas, não teve muito sucesso.

Foi visitando o norte da Bolívia doze anos atrás que vislumbrou o futuro do seu negócio: a pecuária. Encantado com as possibilidades produtivas do país, resolveu investir e apostou alto. “Escolhi a pecuária porque é uma atividade de enorme importância para o mundo, além de ser um investimento mais seguro e mais rentável que a agricultura. Foram muitos anos de trabalho e muita persistência, mas, valeu a pena, porque deu muito certo. Tudo que eu tenho devo à Bolívia e ao meu trabalho”, conta o pecuarista.

Muito trabalho depois, hoje Jairo comanda uma grande empresa, que, apesar do tamanho, mantém o perfil familiar. Sua esposa Geise Santana, por exemplo, é uma companheira para todas as horas. Grande empresária da Moda brasileira, ela divide seu tempo entre a loja multimarcas Bella Ge.Store e os compromissos do marido. Seus dois irmãos, Jânio e Jari, também sempre trabalharam ao lado dele, e foram essenciais para a trajetória de ascensão da família. Assim como o filho Jairo Júnior, formado em Administração de Comércio Exterior, que é o braço direito do pai, juntamente com sua esposa, Kelly Pereira de Paula, que comanda a parte administrativa do grupo com muita maestria. Já a filha Ane Caroline é médica cardiologista e trabalha em Marília (SP), mas, apesar da distância, deixa o pai orgulhoso.“É uma grande felicidade poder envolver quase toda minha família nesse que é o negócio da minha vida. Gosto que cada um deles ande com suas próprias pernas, mas, apesar disso, sei que eles darão continuidade ao meu trabalho”, conta Jairo, que já é avô de cinco netos: Rafael, Ana Luiza e Ana Clara (filhos de Jairo Júnior), e Jairo Neto e Rita (filhos de Ane Caroline).

 

Genética Nelore SPJ

Tudo começou com 400 novilhas da raça nelore, adquiridas por Jairo em 2008. Até então, ele não tinha experiência nenhuma com a criação de bovinos, mas, correu atrás de conhecimento, equipe e tecnologia para multiplicar e apurar a genética. Deu tão certo que, em 12 anos, o rebanho cresceu em mais de 12.000% em número e aumentou o valor genético de maneira inestimável. Agora, a genética Nelore SPJ é referência internacional de qualidade e eficiência.

Nas dez fazendas bolivianas, cada uma com cinco mil hectares, Jairo soma 50 mil hectares, sendo 30 mil de pastagens altamente produtivas sem adubação. Todo rebanho é alimentado exclusivamente a pasto, e o nelore é abatido com 24 meses e 18 arrobas, em média. Lá eles produzem também cruzado com o angus, que vai para o gancho com 24 meses e 20 arrobas, em média. “O solo e o clima da Bolívia colabora, mas, isso só é possível com tecnologia e investimento. Inseminamos 100% da nossa vacada usando os melhores touros brasileiros disponíveis no mercado”.  

Ele também investe em touros melhoradores, tendo adquirido sociedade em vários exemplares considerados os principais raçadores dessa e das próximas gerações. Entre eles, o recordista de venda de sêmen na Central ABS, Urânio da EAO (REM USP x 8898 FIV da EAO), um condomínio com a tradicional EAO Agropecuária.  Também estão no time da Nelore SPJ: o tri-campeão boliviano Alfaro FIV Capiguara (Rambo MN x Thiana FIV Cap); Jordano Neto (1646 MN X Jordania XXVII FIV), o nelore mocho Cedro FR CV (REM USP X Trupi de CV); Ormon da EAO (Backup x 1191 da Jaita), condomínio com EAO, Sementes Paso Ita e Fazenda Paraíso; Stark TE BAR (Alarme EDTO x Jally TE JGarcia), condomínio com a Fazenda Baronesa; Mistério FIV Cass (Kayak TE Mafra x Flagra TE SJ Cocal), condomínio com Roberto Bavaresco e Carlos Eduardo de Paula Alvarez; entre outros.

Com toda essa genética e tecnologia somadas a uma equipe profissional composta por 120 funcionários, Jairo consegue uma produção de 30 mil bezerros de qualidade superior por ano. Eles fazem cria, recria e engorda, mas, muitas vezes, a demanda é tanta que não dá tempo nem de irem para recria. “Como a genética é muito boa, os pecuaristas de toda região vem buscar, por vezes já deixando encomendada outra remessa para o próximo ano. É comum vender a produção que ainda vai nascer”, afirma.  

Tudo isso produzido dentro de uma filosofia de sustentabilidade. Toda água da chuva é captada para irrigação, quando necessária. O gado é criado solto e alimentado só com o pasto, que é rotacionado. A lotação média é de três cabeças por hectare, enquanto a média brasileira é de um para um. Uma das razões para essa produtividade invejável é a cortina de mata preservada que demarca cada pasto das fazendas, todas localizadas na região norte da Bolívia. “Além de colaborar com a qualidade do solo e consequentemente da pastagem, a mata colabora com o bem-estar animal, pois o gado esconde do frio e da chuva lá, além de refrescar os dias quentes”.

Nessa toada invejável, o projeto é chegar em 2022 com 60 mil animais produzindo.  “Com essa produção, temos o objetivo de girar em um semi-confinamento 40 mil cabeças, e o restante aumentar o rebanho com a produção das fêmeas selecionadas. Hoje já estamos inseminando 20 mil matrizes, e queremos dobrar essa produção em dois anos. Com 60 mil produzindo, quero fazer 40 mil nelore e 20 mil angus cruzado. E aí é disseminar essa genética, que acredito ter enorme potencial para aumentar muito a produtividade nacional”, diz Jairo.

 

Estreia

Durante a ExpoZebu 2020, Jairo vai escrever mais um importante capítulo da história do Nelore SPJ, participando pela primeira vez como promotor de um leilão. A estreia vai ser em alto nível, no remate Noite do Nelore Nacional, que nesta completa sua 32ª edição. “Fui convidado pela criadora Cláudia Tosta Junqueira, uma grande selecionadora e amiga, que muito me incentivou a participar. Achei interessante porque, através do nosso trabalho podemos melhorar cada vez mais a pecuária do Brasil, a exemplo do que já fazemos na Bolívia”, afirma ele.

Entre os destaques está o touro Urânio, ofertado em 50% de suas cotas.  “O Urânio EAO traz total equilíbrio quando falamos em avaliação genética e fenótipo. Touro com ótimo padrão racial, costelas profundas e muita musculatura distribuída uniforme em sua carcaça, tudo isso sustentado por ótimos aprumos. Já em suas avaliações genéticas Urânio possui excelentes DEPs para habilidade materna, desempenho, fertilidade e AOL. Devido a todas estas características foi contratado pela ABS. Suas vendas se mantem em ascensão devido à qualidade de suas progênies, que se destacam em diversos rebanhos na América do Sul”, define o técnico de corte da ABS, Arthur Henrique Vieira.

Além do Urânio, outros exemplares de excelência genética também estarão disponíveis. “Convidei o Jairo para participar do remate por conta do seu trabalho de grande importância na pecuária extensiva e do seu rebanho de genética de ponta. Os neloristas podem esperar grandes lotes vindos do Nelore SPJ, entre eles a doadora Melinda, neta da Betina I, que já foi Campeã Bezerra na Expoinel Nacional, dona de excelente genética. Também serão ofertadas: a rês de pista maravilhosa e premiadíssima Caprera da Ouro Fino (vendida em parceria com o Roberto Bavaresco), uma bezerra de cinco meses muito bonita, filha da Tieta da Mundial, e mais dois lotes surpresa”, conta Cláudia.  

“Gostaria de convidar toda família nelorista para participar no nosso leilão, que será o primeiro de muitos. Vamos fazer um leilão muito bom com uma produção excelente. Esperamos o prestígio de todos os amigos e investidores da raça, e garantimos que será um momento inesquecível e uma oportunidade única”, finaliza Jairo.