Publicado em: Pecuária

Seja na bovinocultura de corte ou de leite, o desenvolvimento pós-desmame é fator crucial para o desempenho dos animais durante a fase de recria, mesmo porque há diversos desafios inerentes a esse momento. Outro ponto que vale ser ressaltado é a influência dessa fase na futura reprodução das novilhas, já que animais que superam os desafios do desmame e da recria alcançam índices reprodutivos bem superiores aos demais animais (Pimentel et al., 2006).

A maneira abrupta que o desmame geralmente é feito intensifica ainda mais os prejuízos desse momento (CERVIERI, 2007). Segundo pesquisadores, a perda repentina do vínculo social existente entre mãe e cria inevitavelmente causa grande desconforto emocional para o bezerro e, consequentemente, o aumento dos níveis do hormônio cortisol, conhecido como hormônio do estresse (Enriquez et al., 2011).

O aumento do cortisol pode acarretar em perda de peso ou atraso no crescimento, redução do sistema imune, predisposição do animal à diversas enfermidades e prejuízos reprodutivos importantes (Paranhos da Costa & Cromberg 1997, Fitzpatrick et al. 2006, Raidal et al. 1997). Estudos evidenciam através de exames complementares que realmente há um trauma imunológico decorrente do estresse pós-parto, como redução importante das células de defesa (neutrófilos, linfócitos, monócitos, eosinófilos e leucócitos totais), além de redução dos processos de fagocitose (Jain 1993, Raidal et al. 1997).

Outro fator que corrobora com o estresse pós-desmame é a mudança abrupta na alimentação do bezerro, visto que em alguns casos, como na desmama de bezerras de leite, o desmame é feito muito precocemente, antes mesmo desse animal estar habituado a ingerir a forragem.  Isso faz com que haja a necessidade de suplementação com concentrado para que o animal continue ganhando peso na recria. Por outro lado, o custo elevado dessa suplementação gera resistência do produtor na implementação desse tipo de dieta.

Diante disso, a implementação de estratégias economicamente viáveis, que permitam a redução do estresse e o ganho de peso nessa fase é fundamental. A metafilaxia com um agente capaz de reverter os impactos negativos de desmame é uma ótima opção para evitar os prejuízos ao produtor (Corsi; Nascimento Junior, 1994). A metafilaxia nada mais é que a utilização de medicamentos injetáveis a um grupo de animais em situação de risco, nesse caso nos bezerros desmamados.

Segundo pesquisas, o uso de Butafosfan associado a Vitamina B12, além de reduzir o estresse, aumenta o metabolismo energético e, consequentemente, incrementa o ganho de peso dos animais no pós-desmame (Flasshoff, 1974; Simon, 1990; Larscheid, 1994). Em estudo realizado pela Universidade Federal de Pelotas, a utilização de 5ml dessa associação no desmame, com duas reaplicações em intervalos de 15 dias entre elas, resultou em ganho médio de peso diário de 200g a mais, em comparação ao grupo de animais sem o tratamento (Pereira, 2012).

Uma explicação para esse efeito é ação redutora de cortisol com consequente elevação de insulina, o que aumenta a entrada de glicose na célula, otimizando o mecanismo produtor de energia no organismo (Cuteri 2007, Deniz 2008). Há pesquisadores que ainda ressaltam que o Butafosfan, por ser uma fonte orgânica de Fósforo, garante uma oferta importante de íons P, que é base para a molécula de energia conhecida com Adenosina Tri Fosfato (ATP) (DENIZ et. al., 2007).

Nesse sentido,a solução metafilática recomendada pela JA Saúde Animal é a utilização Catofós B12, produto à base de Butafosfan e Vitamina B12, que possui alta eficácia e ação imediata, além de contar com 3 diferentes apresentações: frascos 20 e 100 mL e apresentação econômica de 250 mL. A utilização dessa associação comprovadamente auxilia na melhora do desempenho dos animais recém desmamados, contribuindo assim para a lucratividade do produtor.

 

Autores:

Prof. Dr. José Abdo Andrade Hellu – Médico Veterinário e Fundador da J.A Saúde Animal

M.V. Eduardo Henrique de Castro Rezende – J.A Saúde Animal